Extraordinárias

A campeã mundial que queria dar um chapéu em Neymar

Débora Miranda

22/07/2018 04h00

O time Resenha 013, que ganhou a categoria feminina do torneio Neymar Jr’s Five

“A Andreza ainda sonha em ser jogadora profissional.” Assim fui apresentada a Andreza Guedes, 20 anos, capitã do Resenha 013, time feminino que representou o Brasil no Neymar Jr’s Five. Maior campeonato de futebol amador do mundo, o evento contou com a participação de mais de 60 países e teve sua final ontem, no Instituto Neymar Jr., na Praia Grande (litoral de São Paulo).

Cada equipe contou com seis participantes (jogam cinco por vez), e este ano foi o primeiro em que o torneio abriu espaço para o futebol feminino. Formada na Baixada Santista, a equipe brasileira contou com Edely, Marynara, Nasstajsa, Taliane e Fernanda, além de Andreza, que “ainda sonha em ser jogadora profissional”.

Mas Andreza chegou à etapa final do Neymar Jr’s Five com um outro sonho: dar um chapéu em Neymar, acredite se quiser. Isso, no entanto, só seria possível se o Resenha 013 vencesse o torneio, pois um dos prêmios era justamente entrar em campo com o craque brasileiro.

Determinada, partiu em busca de realizar seus sonhos. Venceu a semifinal contra a Eslováquia e a final contra a Itália numa espécie de prorrogação que é disputada num tenso um conta um, ou seja, todo o mundo sai de campo e ficam apenas duas jogadoras, uma de cada time, que se enfrentam sozinhas. Quem marcar primeiro ganha. E Andreza, fria e talentosa, garantiu os gols de ouro, as vitórias brasileiras e a conquista do título de melhor do mundo.

Andreza domina a bola, observada por Neymar

Neymar comemorou: “Estou feliz. Foi o primeiro torneio aberto para as meninas, e o Brasil representando tudo isso… Espero que essas meninas sirvam de exemplo para todas as outras, e que o futebol possa ser mais aberto não só para o masculino, mas também para o feminino”.

Me preocupei com o sonho de Andreza –o de se tornar jogadora– e questionei:  você acha que essa vitória pode abrir espaço para essas meninas se profissionalizarem?

“Acho que sim, é um caminho que precisa ser trabalhado. As pioneiras disso tudo sabem o que elas sofreram, e espero que daqui para a frente seja cada vez melhor.”

Após a vitória, Andreza demonstrava a mesma confiança que o craque: “Estou muito feliz, graças a Deus deu tudo certo. Ainda vou conseguir realizar meu sonho de ser jogadora profissional”. E como foi jogar sob o olhar atento de Neymar? “É emocionante ter o melhor do mundo assistindo a gente. Ainda mais para mim, que sou santista roxa!”

Elogios à parte, Andreza seguia concentrada para o último jogo do dia:  aquele em que enfrentaria Neymar e amigas — para a partida comemorativa, o craque escalou Andressa Alves, do Barcelona; Alline Calandrini, do Corinthians; Érika, do PSG; e Raquel, que pratica freestyle.

“Agora estou mais relaxada. Esse jogo vai ser mais uma brincadeira com o Neymar.  Mas espero ainda realizar meu sonho! Vou dar um chapéu nele”, anunciou, determinada.

Neymar e os dois times vencedores do torneio: as meninas do Brasil e os rapazes do México (Reprodução/Instagram)

Posicionei-me à beira do campo e fiquei esperando que Andreza, contaminada pelo clima de ousadia e alegria do evento, cumprisse a promessa. O jogo começou. Acompanhei a tudo atenta. A bola passou muitas vezes pelos pés de Andreza. Mais vezes ainda pelos de Neymar.  A certa altura, os dois se encontraram, frente a frente.

Ela parou, prendeu a bola sob o pé e olhou Neymar nos olhos. Ele ficou ali, parado, em posição de marcação, sem saber o que o esperava. Fiquei tensa e vi que Andreza movimentava o pé, carregando a bola de baixo para cima. Tudo isso deve ter demorado dois segundos e meio, mas juro que, para mim, passou em câmera lenta. A bola subiu, passou por cima de Neymar, mas Andreza seguiu parada. Não correu para completar o drible com que tanto sonhou.

Fiquei dividida entre o alívio e a frustração. Mas, de fato, talvez não fosse legal dar um chapéu no dono da festa. No fim do jogo, encostei ao lado dela, que me disse: “Não deu”. Sua voz não carregava arrependimento nem tristeza. Tinha mais orgulho. De ter dividido o campo com aquele que, segundo ela mesma tinha me dito 15 minutos antes, era “o maior do mundo”. E muita esperança. Afinal, que importância tem um simples chapéu na vida de uma jogadora que — por enquanto– não é profissional, mas que já é campeã do mundo?

Sobre a autora

Débora Miranda é jornalista e editora do jornal Agora São Paulo. Apaixonada por cultura. Acredita no poder transformador do esporte. Ginástica olímpica na infância. Pilates, corrida e krav maga na vida adulta. Futebol desde sempre. Corinthians até o fim.

Sobre o blog

Espaço para as histórias das mulheres no esporte, mostrando como a atividade física pode transformar vidas e o mundo. A ideia é reunir depoimentos sobre determinação, superação e empoderamento. Acima de tudo, motivar umas às outras. Vamos juntas?

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está fechada

Não é possivel enviar comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog Extraordinárias
Blog Extraordinárias
Blog Extraordinárias
Blog Extraordinárias
Blog Extraordinárias
Blog Extraordinárias
Blog Extraordinárias
Blog Extraordinárias
Blog Extraordinárias
Blog Extraordinárias
Blog Extraordinárias
Blog Extraordinárias
Blog Extraordinárias
Blog Extraordinárias
Blog Extraordinárias
Blog Extraordinárias
Blog Extraordinárias
Blog Extraordinárias
Blog Extraordinárias
Blog Extraordinárias
Blog Extraordinárias
Blog Extraordinárias
Blog Extraordinárias
Blog Extraordinárias
Blog Extraordinárias
Blog Extraordinárias
Blog Extraordinárias
Blog Extraordinárias
Blog Extraordinárias
Blog Extraordinárias
Topo