Extraordinárias

Bailarina dança contra a gordofobia

Débora Miranda

09/02/2018 08h33

“Eu começo o espetáculo usando um vestido justo, preto. Sentada em um banquinho de plástico. Só esse banquinho já tem um significado que todo gordo sabe qual é. Todo gordo entende o pavor. Plástico é um material frágil, não é confiável. Em cena, eu me relaciono com ele. Mostro equilíbrio e sustentação.”

(Elenize Dezgeniski/Divulgação)

A bailarina Jussara Belchior, 32 anos, do grupo Cena 11, descreve a primeira sequência de “Peso Bruto”, espetáculo idealizado e apresentado por ela que discute a gordofobia. Balé não é esporte. Mas é uma arte que abraça a atividade física e que leva muita gente a se exercitar, a se divertir, a abandonar o ócio e a prezar pela saúde. Empodera muitas mulheres, torna-se a vida e a profissão de várias outras. E ainda assim é cercado de preconceitos, como a gordofobia.

Jussara, que é uma bailarina gorda, passou por isso. “A minha prática de dança não é constante como a de um atleta, depende do que estou fazendo na época, se estou ensaiando para algum espetáculo. Dança não é um esporte de alto rendimento.” Ela conta que começou a dançar aos cinco anos balé clássico e jazz e nunca mais parou. “Sempre fui uma criança gorda, acho que tem a ver com a minha genética também. Mas encarei de um jeito tranquilo. Claro que não é fácil, sofri muito preconceito. Ouvi muitos diretores me pedindo para emagrecer.”

Sua urgência, no entanto, não foi perder peso, mas abrir a discussão sobre o tema, que ainda faz tantas mulheres sofrerem. “Senti a necessidade de falar sobre o meu corpo, que é tão específico e faz parte do imaginário das pessoas quando estou dançando. Queria ir contra conceitos como o de que a pessoa gorda é descontrolada e sem força de vontade. O corpo gordo não pode ser visto como sem força, sem saúde, errado, fraco ou sem sensualidade.”

Assim, preparou-se para expor o próprio corpo no palco, com gorduras, dobras e celulites. Apresentou-se em Teresina, Florianópolis, Curitiba e São Paulo, no ano passado, e diz que a experiência foi gratificante. “Tenho sentido o quanto esse assunto é necessário e urgente. As pessoas vêm falar comigo sobre a percepção do próprio corpo. Gordos falam com reciprocidade. Da experiência de não caber nos espaços, de ter de se espremer.”

Ao mesmo tempo, ela percebe o quanto o assunto ainda é doloroso e como é difícil se expor e se sentir bem consigo mesmo. “Espero que seja uma forma de empoderar outras pessoas. O processo de preparação para o espetáculo ajudou também na minha vida.”

A dança certa para cada corpo, não o contrário

Jussara conta que passou por maus momentos enquanto fazia balé clássico e jazz. “Os corpos são muito homogeneizados.” Quando entrou no curso de Comunicação das Artes do Corpo, na PUC (Pontifícia Universidade Católica), sua vida mudou. “A faculdade foi importante para o meu entendimento. Jazz e balé clássico são técnicas que precisam de um corpo ideal. Na dança contemporânea, em vez de ter um corpo ideal imposto, posso construir caminhos que sejam ideais para o corpo que eu tenho.”

No processo de desenvolvimento do espetáculo “Peso Bruto”, contou com a ajuda de uma equipe preciosa. “A concepção do projeto é minha. A dramaturgia é do Anderson do Carmo, que também é gordo. Trabalhei ainda com a Soraya Portela, que é uma bailarina de Teresina, também gorda, e que fez interlocução. Ela tem a mesma vivência que eu, foi uma interferência boa. Trouxe reflexões sobre o que eu estava fazendo.”

Ela diz que a experiência transformou sua forma de falar sobre o próprio corpo e que, hoje, tem mais iniciativa de mostrar às pessoas quando elas estão sendo preconceituosas. “Não podemos nos limitar a imposições que nos fazem infelizes. Às vezes dá trabalho, mas é importante ter companheiros que te ajudem a resistir e a fazer o que mais gosta.”

Veja mais:

Sobre a autora

Débora Miranda é jornalista e editora do jornal Agora São Paulo. Apaixonada por cultura. Acredita no poder transformador do esporte. Ginástica olímpica na infância. Pilates, corrida e krav maga na vida adulta. Futebol desde sempre. Corinthians até o fim.

Sobre o blog

Espaço para as histórias das mulheres no esporte, mostrando como a atividade física pode transformar vidas e o mundo. A ideia é reunir depoimentos sobre determinação, superação e empoderamento. Acima de tudo, motivar umas às outras. Vamos juntas?

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está fechada

Não é possivel enviar comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog Extraordinárias
Blog Extraordinárias
Blog Extraordinárias
Blog Extraordinárias
Blog Extraordinárias
Blog Extraordinárias
Blog Extraordinárias
Blog Extraordinárias
Blog Extraordinárias
Blog Extraordinárias
Blog Extraordinárias
Blog Extraordinárias
Blog Extraordinárias
Blog Extraordinárias
Blog Extraordinárias
Blog Extraordinárias
Blog Extraordinárias
Blog Extraordinárias
Blog Extraordinárias
Blog Extraordinárias
Blog Extraordinárias
Blog Extraordinárias
Blog Extraordinárias
Blog Extraordinárias
Blog Extraordinárias
Topo