Topo
Extraordinárias

Extraordinárias

Repórter beijado por mulheres diz: caso não se compara a assédio de russa

Débora Miranda

2026-06-20T18:04:00

26/06/2018 04h00

Um vídeo que viralizou na semana passada nas redes sociais e em grupos de WhatsApp mostrava o repórter do SporTV Ben-Hur Correia sendo abordado por um grupo de meninas enquanto fazia comentários ao vivo em um programa do canal de esportes. Ele foi beijado e encarou a situação com bom humor, fazendo piada com os apresentadores que estavam no estúdio, também rindo.

O vídeo é de 2016, e Correia estava em Las Vegas, mas muita gente achou que se tratasse de uma transmissão atual, da Rússia. E logo as imagens viraram, na internet, uma espécie de contraponto masculino aos casos de assédio a jornalistas e torcedoras nesta Copa do Mundo.

O repórter, no entanto, fez questão de ir a público e se posicionar. "A gente não pode comparar a minha situação naquele vídeo com a situação que a menina russa sofre no vídeo rodeada por brasileiros. Eu não fui coagido, eu não fui insultado", afirmou em um vídeo que postou em seu Instagram, referindo-se ao caso da jovem assediada por torcedores.

Em entrevista ao "Extraordinárias", ele falou mais sobre o caso, ressaltou que as duas situações não têm relação e afirmou: "Quem finge não entender essa diferença na verdade quer distorcer a discussão". O jornalista ainda destacou a importância do debate em torno do feminismo e do assédio e concluiu: "Sou um homem que entende e respeita as causas das mulheres".

*

De quando e onde é o vídeo que agora voltou a viralizar nas redes sociais, que mostra você sendo abordado por um grupo de meninas estrangeiras? Pode explicar as circunstâncias em que aquele episódio aconteceu?

O vídeo é de 2016, no meio da cobertura da Olimpíada do Rio. Eu era correspondente nos Estados Unidos, com base em Las Vegas. Tinha que fazer várias entradas ao vivo no "Madruga SporTV". Eu estava sozinho em uma mesa de uma área chamada The Park, que fica ao lado do New York New York, um dos cassinos de Las Vegas. Estava falando sobre a derrota da seleção feminina de futebol dos EUA quando umas meninas começaram a passar por mim e eu percebi a movimentação. Elas viram um cara conversando com um equipamento, acho que não entenderam o que eu estava fazendo. Até hoje acho que elas não sabem que estiveram ao vivo para todo o Brasil.

Quais foram as suas sensações naquele momento? Ficou envergonhado? Se sentiu constrangido, acuado ou desrespeitado?

Eu fiquei envergonhado, mas não me senti agredido ou constrangido. Elas estavam em uma despedida de solteira e realmente não estavam entendendo o que eu fazia ali. O que não quer dizer que elas tiveram uma atitude lá muito justa, porque interromperam meu trabalho, mas não foram agressivas. A questão é que há, sim, diferença quando uma mulher passa pela mesma situação que eu passei. Historicamente, as mulheres foram subjugadas na sociedade, foram tratadas como objeto. O que não aconteceu com os homens. Quando um homem interrompe uma repórter para tentar beijá-la, ele está deslegitimando o trabalho dela. É como se ele dissesse: "Eu posso te beijar e você não pode me impedir de fazer isso".

A aparição das meninas ao vivo, enquanto você estava trabalhando, te prejudicou de alguma forma, profissionalmente ou na sua vida pessoal?

De forma alguma. Foi um fato engraçado e só.

O repórter do SporTV Ben-Hur Correia (Divulgação)

Esse vídeo voltou agora a circular em WhatsApp e nas redes sociais acompanhado de muitos comentários que buscam oferecer uma resposta ou "contrapartida" ao vídeo em que os brasileiros aparecem assediando uma mulher russa. Vê alguma relação entre os dois casos?

Os dois casos não têm qualquer semelhança, e quem acha algum paralelo na verdade está tentando justificar uma ação claramente machista. O que muitas pessoas falaram é que o meu vídeo não teve a reação de condenação social que o vídeo da menina russa teve. Mas é óbvio que não deveria ter! Não há uma atitude socialmente nociva das americanas na situação que me envolveu. Já os brasileiros expuseram a garota com frases ofensivas, gravaram ela repetindo o conteúdo e divulgaram. Em outra comparação, beijar uma repórter mulher durante uma transmissão ao vivo é machismo? É, porque se trata de reafirmação de poder. Beijar um repórter homem em uma transmissão ao vivo é prejudicial? Talvez para ele, mas não enquanto mensagem social. Quem finge não entender essa diferença na verdade quer distorcer a discussão.

Além do vídeo que você postou no Instagram, vi que fez questão de responder a vários comentários esclarecendo seu pensamento. Por que achou tão importante se posicionar publicamente?

Vi que muitas pessoas começaram a usar a minha imagem para defender argumentos com os quais não concordo de forma alguma. E grandes amigos me ligaram perguntando se eu não iria me posicionar, afinal eles estavam recebendo aquilo e também queriam contra-argumentar. Foi quando eu decidi que iria gravar um vídeo para deixar claro o que eu penso e dizer que não concordo com vários absurdos que foram divulgados. Uma forma de proteger a minha imagem, claro, mas também de afirmar um posicionamento político-social importante no momento.

Qual é a importância, na sua opinião, de tanto debate sobre feminismo e assédio em plena Copa do Mundo, especialmente num país como a Rússia?

A discussão é fundamental para mostrar que avançamos sobre a igualdade social das mulheres, mas que ainda há um longo caminho a ser percorrido. A Rússia é um país com comportamento cultural claramente machista, em que a sociedade ainda enxerga a mulher de forma submissa. E as diferenças ficam mais claras quando vemos o choque entre a cultura local e os costumes de países onde a mulher conquistou mais direitos. A Rússia vai mudar com o tempo? Provavelmente sim, assim como o Brasil também avança nessas questões.

Você se considera um homem feminista?

Sou um homem que entende e respeita as causas das mulheres. Minha mãe sempre trabalhou tanto quanto meu pai para conseguir criar os três filhos e, mesmo assim, sofreu com barreiras sociais só por ser mulher. Não há porque eu tentar deslegitimar ou minimizar uma causa que eu sei que é verdadeira.

*

Leia mais:
"Russos não têm muito respeito pelas mulheres, não", diz Glenda Kozlowski

 

 

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre a autora

Débora Miranda é jornalista e editora do jornal Agora São Paulo. Apaixonada por cultura. Acredita no poder transformador do esporte. Ginástica olímpica na infância. Pilates, corrida e krav maga na vida adulta. Futebol desde sempre. Corinthians até o fim.

Sobre o blog

Espaço para as histórias das mulheres no esporte, mostrando como a atividade física pode transformar vidas e o mundo. A ideia é reunir depoimentos sobre determinação, superação e empoderamento. Acima de tudo, motivar umas às outras. Vamos juntas?