PUBLICIDADE

Topo

O país do futebol acredita mesmo que não exista nenhum jogador gay?

Débora Miranda

26/01/2020 04h00

Douglas Braga de Oliveira foi atleta profissional e hoje participa da Ligay de futebol (Arquivo Pessoal)

"Quando encerrei a minha carreira, aos 21 anos, fiquei uns dez anos sem entrar em campo." Douglas Braga de Oliveira foi jogador profissional de futebol e atuou em times como Botafogo, Madureira e Bangu, no Rio. A vida toda teve uma relação forte com o esporte e sonhava em viver como atleta profissional, mas se sentia excluído por ser homossexual. Diante dos colegas de time, nunca se assumiu.

"Tive que abandonar um sonho pelo qual lutei desde os meus 12 anos por não me sentir pertencente a um ambiente. É dolorido saber que minha capacidade e minhas qualidades seriam validadas pela minha orientação."

Veja também

Hoje, aos 38 anos, ele conta que reencontrou a alegria do futebol ao participar de um time gay e ao ajudar a criar uma liga nacional, que já conta com mais de 60 equipes espalhadas pelo Brasil.

"A Ligay foi um divisor de águas na vida de muitas pessoas. Tentamos criar um ambiente mais acolhedor para jogar futebol. Vejo a necessidade de mostrar que o esporte pode ser alegre e competitivo, que você pode ser gay e ser um excelente atleta. Temos direito de estar nos estádios, nos campos de futebol e no esporte da mesma forma que qualquer outro time."

Douglas fala também de como o universo do futebol ainda exclui gays e mulheres, da luta por aceitação e questiona: "O país do futebol, maior exportador de craques no cenário mundial, acredita mesmo que não exista nenhum jogador que seja gay?".

*

"Enquanto jogador, nunca fui assumido. Na época, era uma troca: uma identidade falsa pela possibilidade de conquistar um sonho. Quando falo em ser um personagem, falo de, muitas vezes, ser machista e homofóbico para que pudesse pertencer a um ambiente em que, na realidade, eu estava por direito.

Atuei no Madureira, no Botafogo e no Bangu, todos no Rio. Jogo futebol desde desde a infância e sempre tive uma ligação forte com o esporte. Mas, ao mesmo tempo, me sentia extremamente excluído. Quando encerrei a minha carreira, aos 21 anos, fiquei uns dez anos sem entrar em campo.

O futebol é um universo que não evolui junto com a sociedade. É extremamente machista e excludente, e assim que me sentia. Tive que abandonar um sonho pelo qual lutei desde os meus 12 anos por não me sentir pertencente a um ambiente. É dolorido saber que minha capacidade e minhas qualidades seriam validadas pela minha orientação.

Douglas conta que reencontrou a alegria de jogar futebol (Arquivo Pessoal)

Também não frequento estádios. Nunca foi um espaço em que me senti bem-vindo. Fui uma ou duas vezes depois de ter parado de jogar, mas nessa época já havia me assumido gay, e gay torcendo em estádio era algo que não podia pertencer ao mesmo mundo.

Foi o time Beescats que me trouxe a alegria de reviver esse esporte de forma competitiva. A ideia nasceu de um grupo de amigos que queriam se reunir para jogar futebol. O idealizador do time, André Machado, é paulista e, ao se mudar para o Rio, sentiu falta de ter esse espaço, um local onde se sentisse seguro para brincar, sem máscaras, e que todo o mundo soubesse da sexualidade do outro.

Isso aconteceu no primeiro semestre de 2017 e foi uma ideia despretensiosa, mas o número de frequentadores foi crescendo a cada encontro –que acontecia toda sexta-feira, no bairro de Botafogo. Naquele ano, aconteceu um campeonato de futsal em São Paulo, e o time disputou. Com isso, começaram a chegar os 'boleiros', galera que sempre jogou futebol, mas nunca havia podido se assumir gay para os amigos.

Viajamos para o Gay Games, em Paris, onde fomos vice-campeões mundiais –disputando contra times héteros. Além disso, somos os atuais bicampeões brasileiros.

O time me devolveu a felicidade de estar nesse cenário do futebol, como o homem gay que sou, sem personagens. É necessário mostrar que o esporte é um direito de todos e de todas, que não temos que nos esconder nem fingir uma orientação para que possamos ser aceitos.

Nesse início de convivência com novos amigos, ouvimos histórias de pessoas que deixaram de jogar por bullying, ex-atletas profissionais que abandonaram o esporte por serem gays. E tudo isso nos motivou a iniciar um movimento junto com outros times do Brasil de inclusão no futebol, esse ambiente ainda tão machista. E assim foi criada a Ligay.

A Ligay foi um divisor de águas na vida de muitas pessoas. Tentamos criar um ambiente mais acolhedor para jogar futebol, ambiente em que você pode fazer um gol e comemorar com seu marido, sem estereótipos ou personagens. O movimento tomou uma proporção que não esperávamos e hoje já inclui mais de 60 times espalhados pelo Brasil.

Vejo a necessidade de mostrar que o esporte pode ser alegre e competitivo, que você pode ser gay, com trejeitos ou não, e ser um excelente atleta. Temos direito de estar nos estádios, nos campos de futebol e no esporte da mesma forma que qualquer outro time.

Existe uma parcela da sociedade que cobra esse movimento dos clubes, mas o futebol hoje, além de paixão, é um mercado. Existem empresas, patrocinadores e torcedores que não querem associar a imagem do clube a ter um jogador gay. No Brasil, o Bahia faz um trabalho bem consistente em relação à inclusão. Mas estamos aos poucos mexendo em feridas que precisam ser expostas.

Hoje é necessário ter uma liga gay, pois historicamente não somos bem recebidos. Mas a ideia da liga é que um dia não seja mais. Ainda precisamos desse ambiente seguro, sem o medo constante de ser atacados verbal ou fisicamente, por questões que só nos diferenciam em gostos extracampo.

O país do futebol, maior exportador de craques no cenário mundial, acredita mesmo que não exista nenhum jogador que seja gay?

Essa luta não é só por nós, mas por todas as minorias. Em pleno século 21, não deveríamos estar discutindo essas questões. Também estamos lutando para que o futebol feminino seja reconhecido pelas craques que possui, e não apenas por um projeto obrigatório de lei para os times.

Se pudermos fazer a sociedade pensar um pouco sobre o assunto, já estamos mudando o mundo de alguma forma. Estamos conquistando um espaço que também é nosso por direito e, pode acreditar, não vamos voltar para o armário. O esporte também é uma herança nossa."

Douglas Braga de Oliveira, 38 anos, psicólogo

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre a autora

Débora Miranda é jornalista e editora do UOL. Apaixonada por cultura. Acredita no poder transformador do esporte. Ginástica olímpica na infância. Pilates, corrida e krav maga na vida adulta. Futebol desde sempre. Corinthians até o fim.

Sobre o blog

Espaço para as histórias das mulheres no esporte, mostrando como a atividade física pode transformar vidas e o mundo. A ideia é reunir depoimentos sobre determinação, superação e empoderamento. Acima de tudo, motivar umas às outras. Vamos juntas?

Extraordinárias